sábado, 24 de junho de 2017

ROGER ABDELMASSIH DEIXA HOSPITAL E CHEGA A PINHEIROS PARA CUMPRIR PRISÃO DOMICILIAR

SP-Policia.
POR 

O ex-médico Roger Abdelmassih, de 74 anos, deixou o hospital e já está no condomínio de Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo, onde cumprirá pena em prisão domiciliar. Ele foi condenado a 181 anos de prisão por 48 estupros a 37 pacientes entre 1995 e 2008. Cânone dos tratamentos de fertilidade, ele recebeu o benefício de ficar preso em casa, ao alegar que sofria de graves doenças.

Uma decisão judicial da última quarta-feira permitiu ao condenado continuar o tratamento em casa. Abdelmassih estava internado no Hospital São Lucas, em Taubaté, desde 18 de maio, por conta de uma inflamação nos pulmões. Deixou a unidade de saúde na noite de sexta-feira, depois de mais de dois meses. Desde 2014, ele cumpria pena na Penitenciária 2, em Tremembé. A partir de outubro de 2016, entrou na Justiça em busca da concessão do regime domiciliar em função das condições de saúde.

Após ser preso no Paraguai, o médico Roger Abdelmassih é transportado para a Delegacia do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo (20/08/2014)
Ex-médico Abdelmassih é internado em hospital de SP
Ele chegou ao condomínio de Pinheiros, onde mora sua mulher, a procuradora Larissa Sacco, por volta de 0h10m deste sábado, segundo o G1. Abdelmassih será monitorado por tornezeleira eletrônica e não pode deixar a cidade sem autorização da Justiça. No banco da frente do carro, vestiu um capuz branco e tentou esconder o rosto com o braço no portão do prédio.


Decisão judicial

A Justiça de São Paulo determinou na quarta-feira que o ex-médico cumprisse a pena em casa, com tornozeleira eletrônica. Sua defesa tentava há um ano um indulto humanitário, que é o perdão da pena, alegando problemas de saúde. A defesa pedia que, caso não fosse dado o indulto, a Justiça concedesse a prisão domiciliar. O Ministério Público foi contra, a Justiça negou o indulto, mas concedeu a prisão domiciliar, justificando que o quadro de saúde dele se agravou nos últimos meses e que Abdelmassih precisa de cuidados constantes — deliberação em respeito ao princípio da dignidade humana.

— Ele tem 50% de risco de morrer em um ano, e de 70% em dois. O Roger já tem atestado de demência, sem condições de se levantar ou ficar sozinho. Vai direto para o Home Care — disse o advogado Antônio Celso Galdino Fraga.

Além da tornozeleira, Abdelmassih foi liberado para tratamento médico em unidades hospitalares que escolher, com a prévia autorização judicial. Ele não poderá deixar a cidade de moradia e deverá passar por perícia médica a cada três meses, ou em menos tempo se a Justiça determinar, para avaliar o quadro de saúde. Caso tenha condições, ele deverá retornar à prisão.
 




Postar um comentário