sexta-feira, 7 de julho de 2017

BRASIL; Fim de força-tarefa da Lava Jato prejudica as investigações, afirmam procuradores

BR-Policia.
MPF informou, em nota, que espera que a decisão possa ser revista
MPF informou, em nota, que espera que a decisão possa ser revista Arquivo/Agência Brasil

Após a PF (Polícia Federal) anunciar nesta quinta-feira (6) o fim dos grupos de trabalho exclusivo para as Operações Lava Jato e Carne Fraca em Curitiba, os procuradores da República da força-tarefa da Lava Jato na cidade criticaram a medida. Em nota, manifestaram "sua discordância em relação à dissolução do Grupo da Lava Jato".
De acordo com o texto, os procuradores destacam que foram realizadas 844 buscas e apreensões em 41 fases de operação e mais de R$ 10 bilhões foram recuperados mas que ainda "há um potencial de recuperação de muitos outros bilhões, se os esforços de investigação prosseguirem". Para eles, a redução do número de delegados a menos de metade, "prejudica as investigações da Lava Jato e dificulta que prossigam com a eficiência com que se desenvolveram até recentemente".
Além disso, os procuradores argumentam que a medida tornada pública nesta quinta-feira "é um evidente retrocesso. Por isso o Ministério Público Federal espera que a decisão possa ser revista".


Veja a nota na íntegra:
Postar um comentário