quinta-feira, 10 de agosto de 2017

BRASIL; Delegado empurra homem que se recusa a ser abordado

 BR-Policia.


U
m vídeo obtido pela TV Globo mostra o delegado Haendel Fonseca, chefe de gabinete da Secretaria de Justiça, empurrando um homem no chão que se recusou a acatar ordem para ser abordado. O caso ocorreu no Recanto das Emas. Ainda não se sabe o que motivou a discussão.
As imagens mostam que o delegado pede para o homem "encostar". Depois de se negar e ainda ofender o delegado, o policial dá um empurrão no homem, que cai no chão. O homem carregava uma lata parecendo com a de um spray de tinta.
Segundo o delegado, o homem estava pixando um carro que estava estacionado de forma irregular. Depois disso, ele se recusou a esperar a chegada do Detran. É neste momento em que a discussão começa.
Delegado: Você está falando com polícia. Você não está falando com moleque, não.
Abordado: Você é polícia?
Delegado: Eu sou polícia.
Abordado: Tem certeza disso?
Delegado: Absoluta. Aqui, ó (mostra credencial).
A Secretaria de Justiça informou que determinou ao delegado que preste as informações para tomar as providências cabíveis.
Em nota enviada ao G1, o delegado afirmou que o vídeo é de 2016. Ele reconheceu ter errado e disse que pediu afastamento do cargo enquanto o fato é apurado.
Nota do delegado
"Venho a público esclarecer que lamento profundamente o desentendimento ocorrido no ano de 2016, cujas as imagens foram divulgadas na data de ontem.
Os fatos ocorreram após a pessoa envolvida na ocorrência nao atender a orientacao de aguardar a chegada dos agentes do Órgão de Trânsito para solucionar um eventual estacionamento irregular de um veiculo em via pública, que estava por esse motivo sendo danificado com a aplicação de produto químico de um spray.
Fui surpreendido infelizmente pelo fato da pessoa envolvida na ocorrência desatender as orientações e dar início inesperadamente com ofensas verbais a um comportamento de desobediência, desacato e vias de fato, que foi por mim interrompida, por um ato reflexo, ao fazer que se afastasse, tendo o mesmo caído pois como posteriormente verificado, havia ingerido bebida alcoólica naquela data.
É com grande humildade que reconheço que operacionalmente errei na avaliação dos riscos da abordagem realizada sem a a presença de outro policial.
Reconheço ainda que com o inesperado comportamento adotado pelo envolvido, temi em sofrer também uma agressão física.
São fatos como esse que demonstram nossa fragilidade humana, a presença dos nossos medos e reforçam a necessidade pela busca diária pela proteção de Deus.
Termino deixando meu pedido de desculpas incondicional à todos e de perdão à Deus e à pessoa envolvida independente de qualquer análise jurídica que o fato permita.
Solicitei a apuração dos fatos e o meu afastamento das funções na Secretaria até a conclusão."

Postar um comentário