quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Em Borborema; Jovem detido por morte de padre dá nova versão e fala em roubo como motivação, diz delegado

PB-Policia.

Adolescente apreendido confessou que tinham planejado roubar cofre na casa do padre antes do crime, diz delegado
                    Foto: Reprodução/TV Cabo Branco
Padre Pedro Gomes Bezerra foi encontrado morto e enrolado em lençol
dentro de casa em Borborema, na Paraíba

O
 adolescente de 15 anos suspeito de participação na morte do padre Pedro Gomes da Silva, de 49 anos, na cidade de Borborema, no Brejo paraibano, deu uma segunda versão para a motivação do homicídio. Segundo o delegado do caso, Diógenes Fernandes, o jovem revelou que planejou roubar um cofre na casa do padre junto com o outro suspeito, um jovem de 18 anos que ainda não localizado pela polícia.

O padre Pedro foi encontrado morto dentro de casa no dia 24. Ele foi alvo de pelo menos 29 facadas, segundo a perícia. O adolescente suspeito do crime foi preso na terça-feira (29) e em sua primeira versão para o crime, confessou o crime, disse que foi convidado para consumir bebidas alcoólicas dentro da casa e que o homicídio aconteceu depois que o padre tentou fazer sexo com ele.

Em uma segunda versão, no entanto, o adolescente falou ao delegado que ele e o outro jovem iriam se aproveitar da afinidade que tinham com o padre para roubar o cofre que eles sabiam que existia dentro da casa. Diógenes Fernandes destacou ainda que os indícios apontam que após matar o padre, os dois suspeitos não encontraram nenhum dinheiro no cofre.

A nova versão para crime coincide com uma evidência encontrada no dia dos exames de perícia na casa do padre. Durante a coleta de provas, o Instituto de Polícia Científica (IPC) recolheu uma quantia de R$ 8 mil na casa do padre.

Desde o primeiro depoimento, o delegado explicou que havia controvérsias na versão do jovem e achava que adolescente tinha sido orientado a dar a versão anterior. O adolescente passou por audiência e foi encaminhado para uma unidade socioeducativa.

Até o início da manhã desta quarta-feira (30), a Polícia Civil seguia à procura do segundo suspeito do crime, um rapaz que havia sido coroinha na mesma época em que padre Pedro atuou na cidade de Arara.