sexta-feira, 25 de agosto de 2017

EM SANTARÉM; Não havia controle de passageiros”, diz dono de barco que naufragou

Pará-Policia.

O proprietário do barco que naufragou na última terça-feira (23) no rio Xingu, deixando 21 mortos e 4 desaparecidos, disse à polícia que não havia controle de passageiros no momento do embarque em Santarém, no oeste do Pará.
 

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do estado (Segup), Alcimar Almeida da Silva afirmou em depoimento na quinta-feira (24) que havia cerca de 50 pessoas na embarcação contando com passageiros e tripulação. O governo do Pará, que chegou a estimar que 70 pessoas estariam a bordo, trabalha agora com o número de 52 pessoas: além dos mortos e desaparecidos, há 27 sobreviventes.

A embarcação não podia transportar passageiros, segundo Agência Estadual de Regulação e Controle de Serviços Públicos (Arcon-PA). O proprietário, entretanto, diz que há cerca de 3 anos faz as viagens com uma autorização da Marinha do Brasil para navegar até o município de Prainha.

No dia do naufrágio, o barco iria para Vitória do Xingu, num trajeto que é quase o dobro do que, segundo o proprietário, seria autorizado. E o acidente depois de Prainha, numa área denominada Ponte Grande do Xingu, entre Porto de Moz e Senador Porfírio.

O navio Capitão Ribeiro saiu do município de Santarém às 18h de segunda-feira (21), e afundou por volta de 22h de terça. Chovia quando o acidente aconteceu. Muitos sobreviventes disseram que a embarcação foi atingida por uma tromba d’água – fenômeno similar a um tornado.