sexta-feira, 4 de agosto de 2017

FORTALEZA; Ataques a bancos com explosões viram rotina de violência, terror e prejuízo no Interior cearense

CE-Policia.

Também como tática, os criminosos usam reféns como "escudos humanos" na hora de fugir
Fonte Blog do Fr.
Banco destruído - Redenção
Agência em Redenção destruída após a explosão de artefatos. Já são 25 ataques assim em 2017

T

rinta e quatro agências bancárias sofreram assaltos no Ceará neste ano. Em 25 delas ocorreram explosões durante os ataques de quadrilhas.  As unidades explodidas estão localizadas em 22 cidades do Interior e uma na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).  Em, pelo menos, dois Municípios (Missão Velha e Jaguaruana), os criminosos agiram em dois bancos simultaneamente.
Banco destruído 3
Uma das táticas das quadrilhas é metralhar viaturas e sedes de Destacamentos da PM

A rotina de roubos a bancos com explosões dos cofres e caixas eletrônicos está afetando diretamente a população de tais cidades, já que a violência da detonação dos artefatos acaba por destruir completamente os prédios e seus equipamentos.
Banos Destruídos 5
Outra estratégia dos criminosos é deixar carros incendiando nas estradas durante a fuga

Em apenas um dos ataques com explosão a Polícia conseguiu dar a pronta resposta ao crime e desarticular imediatamente a quadrilha. Isso aconteceu na madrugada do dia 1º de abril, na cidade de Jaguaruana, na Região do Vale do Jaguaribe (a 183Km de Fortaleza). Naquela ocasião, os setores de Inteligência da Polícia Militar e da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) tinham informações antecipadas da trama.
Bancos assaltados
Grampos e pedaços de ferro são jogados nas estradas para furar os pneus das viaturas policiais

Foi, então, montada uma operação sigilosa que mobilizou efetivos das polícias Civil e Militar, com o  apoio da Polícia Federal (PF).  Depois de explodir as agências do banco do Brasil  e do Bradesco e um caixa eletrônico instalado na Prefeitura do Município, o bando tentou fugir daquela cidade, mas foi surpreendido pela Polícia.
Agências assaltadas 67
Também como tática, os criminosos usam reféns como "escudos humanos" na hora de fugir

Uma intensa troca de tiros resultou na morte de seis bandidos no local do assalto e mais um que faleceu horas depois, quando buscava socorro médico no hospital da cidade de Aracati.  O bando era formado por cerca de 15 criminosos de vários estados: Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte e Bahia, bandidos considerados de alta periculosidade e já comparsas no Sistema Penitenciário. Alguns estavam foragidos da Justiça de seus respectivos estados.

Novo cangaço

Na maioria dos ataques, os criminosos escolhem como alvos as cidades de pequeno e médio porte, onde a Polícia tem um efetivo baixo e poucos recursos (armamento, munição, veículos e comunicação) para enfrentar as quadrilhas.  Os bandos se aproveitam de tal situação e, na maioria das vezes, são mais numerosos que o efetivo policial da cidade atacada.  Em muitas ocasiões essa vantagem numérica chega a ser o triplo.

A tática empregada pelas quadrilhas normalmente é a do chamado “Novo Cangaço”. O bando entra na cidade durante a madrugada e se divide em dois grupos. Um deles se encarrega de anular a resistência policial, cercando o prédio dos destacamentos e delegacias, que são metralhados, assim como as viaturas. Enquanto isso acontece, a outra fração da quadrilha está dentro das agências roubando o dinheiro através da explosão dos equipamentos.

Outras estratégicas das quadrilhas são: o uso de reféns (muitas vezes usados como “escudo humano”), o bloqueio das estradas que servirão como rota de fuga (seja com veículos de grande porte, como caminhões, carretas e até ônibus; ou incendiando os próprios carros usados pelo bando para sair da cidade).  Também são comuns os casos em que os ladrões espalham centenas de pedaços de metais pontiagudos nas estradas para furar os pneus das viaturas policiais.

Logística

A execução de um assalto a banco movimenta uma logística que compreende desde o roubo dos veículos a serem usados como meio de fuga, até o aluguel de armas de fogo de grosso calibre e suas respectivas munições (fuzis, metralhadoras, submetralhadoras, espingardas, carabinas e pistolas).

Nesta logística também está incluída a compra, roubo ou desvio e até contrabando do armamento e dos explosivos a serem empregados na destruição de cofres e caixas automáticos. Essa estrutura é montada com recursos advindos de outros crimes como assaltos de diversos tipos (saidinhas bancárias, seqüestros-relâmpagos, seqüestros virtuais etc), roubos de cargas e veículos, tráfico de drogas e até seqüestros.

Ceará

Do início do ano até hoje, assaltos a bancos com explosão de equipamentos eletrônicos como cofres e caixas, já renderam milhos às quadrilhas e deixaram um rastro de destruição nas cidades que acabam ficando sem a prestação dos serviços bancários por vários meses, até que as agências sejam reconstruídas e reequipadas.

Os ataques com explosivos ocorreram neste ano no Ceará nas seguintes cidades: Milhã, Itaiçaba, Tarrafas, Aiuaba, Missão Velha, Tejuçuoca, Tamboril, Saboeiro, Pedra Branca, Icapuí, Cedro, Jaguaruana, Catunda, Antonina do Norte, Assaré, Baixio, Ipueiras, Redenção, Nova Olinda, Horizonte, São Luís do Curu, Pereiro e Hidrolândia.


Foram alvos das explosões, 17 agências do Banco do Brasil, seis do Bradesco e duas da Caixa Econômica.