quinta-feira, 10 de agosto de 2017

RN-Educação
WhatsApp Image 2017-08-08 at 17.52.01

O
Trabalho de título “Segmentação Semiautomática de Úlceras para Terapia Larval” realizou um estudo sobre um algoritmo de segmentação semiautomática de imagens de úlceras para auxiliar a Terapia Larval. A ideia é que a partir de fotos da úlcera tiradas de um Smartphone, o software realize a aferição da área de necrose e indique quantas larvas e quantas aplicações devem ser realizadas para cada paciente.

Atualmente, milhares de pacientes com úlceras de difícil cicatrização vêm sendo tratados com terapia larval nos Estados Unidos, Austrália, Israel e vários países da Europa. A terapia larval consiste na utilização intencional de formas imaturas de moscas desinfetadas, criadas em laboratório para a limpeza e remoção de tecidos desvitalizados em feridas com difícil cicatrização, tais como úlceras de pé diabéticas, úlceras pós-cirúrgicas infectadas, úlceras de decúbito, úlceras por estase venosa e em queimaduras. Essa terapia, pioneira no Brasil, já vem sendo utilizada no tratamento de pacientes do Hospital Universitário Onofre Lopes desde 2011. Agora essa iniciativa recebe um reforço da computação.

O trabalho foi desenvolvido num projeto interdisciplinar envolvendo os docentes Bruno Santana (IMD), Bruno Motta (DIMAP), Renata Gama (CB) e a enfermeira Julianny Ferraz (HUOL).

A premiação é um feito considerável para o aluno de graduação, principalmente por se tratar de um trabalho que envolve três áreas distintas de pesquisa: computação, saúde e biologia.
Assessoria de Comunicação