segunda-feira, 18 de setembro de 2017

RIO; Rock in Rio tem manifestações contra Michel Temer no palco e no público.

RJ-eventos.

A modelo Gisele Bündchen discursou ao som de “fora, Temer”.

Política em relação à Amazônia foi criticada pela banda Blitz. Público puxou coro de "fora, Temer" durante shows do Rock in Rio.

O
s 2 primeiros dias do Rock in Rio tiveram manifestações de artistas contra políticas do governo de Michel Temer e do público contra o presidente. A Cidade do Rock foi aberta ao público na 6ª (15.set).
gisele-rock-in-rio
Gisele Bündchen fez o discurso de abertura do festival
Logo no discurso de abertura do festival, no palco principal, feito pela modelo Gisele Bündchen, a plateia se manifestou com gritos de “fora, Temer”.
A top model falou sobre o consumo sustentável dos recursos do planeta. Gisele havia sido uma das personalidades que publicou críticas à decisão de regulamentar a mineração na Renca (Reserva Nacional do Cobre e Associados) em suas redes sociais. A reserva fica na Amazônia, entre Para e Amapá, e estava vedada para a extração mineral desde a década de 1980.
Na tarde deste sábado (16.set.), integrantes da banda Blitz também fizeram 1 discurso em defesa da Amazônia. Usando adereços indígenas, o vocalista, Evandro Mesquita, criticou a política do país para a floresta:
“A Amazônia está seriamente ameaçada por políticos corruptos, mineradores, pecuaristas, e estão conseguindo diminuir as áreas indígenas e os parques por cobiça. O governo Temer quer salvar o pescoço. Sou guardião da Amazônia. Levantem as mãos aí que nossa resistência será forte, firme, por um Brasil melhor, pelas áreas indígenas, pelas demarcações de área, é isso aí”.

Banda Blitz fez discurso para proteger a Amazônia durante o show | reprodução MultiShow

Banda Blitz fez discurso para proteger a Amazônia durante o show | reprodução MultiShow
Banda Blitz fez discurso para proteger a Amazônia
O público também respondeu com gritos de “fora, Temer”. A manifestação contrária ao presidente também foi ouvida nos shows de Elza Soares e do Skank.


Fonte, Poder 396

Postar um comentário