quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

PM DO RN SEGUE SEM IR ÀS RUAS E POLÍCIA CIVIL DECIDE NESTA QUINTA SOBRE RETORNO.

RN-POLICIA.
Viaturas paradas em frente ao 5º batalhão, na Zona Oeste de Natal. Policiais não saíram às ruas por causa do atraso salarial. Foto do dia 19 de dezembro (Foto: Kleber Teixeira/Inter TV Cabugi)
Fonte, G1/RN.
Viaturas paradas em frente ao 5º batalhão, na Zona Oeste de Natal. Policiais não saíram às ruas por causa do atraso salarial.
D
e acordo com o delegado-geral de Polícia Civil, Correia Júnior, a Degepol propôs a agentes e delegados que retomem o trabalho em regime de 6h, para que não precisem se deslocar para almoçar e gerar ônus, visto que os pagamentos estão em atraso.
Além disso, a Delegacia Geral diz que disponibilizará viaturas para buscar os servidores em casa.
Desde a semana passada, a Polícia Civil trabalha em regime de plantão, atendendo a população nas DPs de Plantão das Zonas Norte e Sul e na Central de Flagrantes.
O Sindicato dos Policiais Civil e Servidores da Segurança (Sinpol) e a Associação de Delegados de Polícia do RN informaram, através de suas assessorias de comunicação, que se reúnem na manhã desta quinta (28) para deliberar sobre a proposta.
Já os policiais militares se encontraram com integrantes das diretorias das associações que representam a categoria para tratar da ação judicial que julga ilegal o movimento. De acordo com o subtenente Eliabe Marques, que preside a Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais Militares e Bombeiros Militares do RN (ASSPMBMRN), a intenção foi explicar aos PMs a situação.
Marques afirma que a movimentação de não ir às ruas não partiu da Associação, e sim de ações individuais de cada policial. Eles dizem que não saem dos batalhões sem condições para exercer o trabalho. A ASSPMBMRN informará isso à Justiça, com a intenção de inviabilizar a ação de ilegalidade, já que o argumento dos PMs é de que não existe uma greve orquestrada pelas organizações representativas.
 s PMs é de que não existe uma greve orquestrada pelas organizações representativas.



Postar um comentário