sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

A CANTORIA ESTÁ DE LUTO COM A MORTE DO REPENTISTA LOURO BRANCO

Cultura
 Louro Branco, o último grande repentista
Morreu nesta quinta-feira (18), Francisco Maia de Queiroz, conhecido como Louro Branco, uma das maiores expressões da cultura popular nordestina. O poeta, cantador e repentista, natural de Jaguaribe (CE), morre aos 74 anos em decorrência de problemas cardíacos e deixa uma obra que influenciou a cantoria por muitas gerações.

 Louro Branco, o último grande repentista Louro Branco, o último grande repentista Louro Branco era conhecido pelo jeito simples e considerado um dos principais cantadores do Nordeste, tendo conquistado diversos prêmios, inclusive o de melhor cantador do país.

Nasceu no dia 2 de setembro de 1943 na Vila Feiticeiro no município cearense de Jaguaribe e trabalhou como pescador, agricultor e vendedor ambulante.

Começou a cantar aos 12 anos de e morou em várias cidades nordestinas, dentre elas: Jaguaretama, Limoeiro do Norte e Iguatu, no Ceará; Coronel João Pessoa, Mossoró e Caicó, no Rio Grande do Norte e atualmente em Santa Cruz do Capibaribe, em Pernambuco, onde morava desde 1991.

O artista popular nordestino levou sua poesia e arte no improviso para 20 estados brasileiros, participou de mais de 400 festivais com todos os maiores cantadores do Nordeste e prestou grande contribuição para a cultura popular. Ao longo de sua carreira, foi autor de mais de 700 composições e escreveu dois livros: “A natureza falando” e “Da casca até o miolo”.


“A cantoria está de luto. É o último grande repentista que se vai”, postou o repentista Geraldo Amâncio nas redes sociais. Amâncio afirmou ainda que “a cantoria perde a graça, o humor, o raciocínio a jato e a inteligência maior do improviso”.


O velório deverá ocorrer no Teatro Municipal de Santa Cruz e o sepultamento está previsto para acontecer nesta sexta-feira (19), no cemitério São Judas Tadeu (cemitério velho).
Postar um comentário