terça-feira, 30 de janeiro de 2018

CUBA SEM CASTROS DEVE TER ABERTURA POLÍTICA, MAS SEM GRANDES RUPTURAS


Politica.
Díaz-Canel (na ponta, à esquerda) é líder reconhecido no partido comunista
Provável sucessor de Raul Castro, Díaz-Canel representa geração pós-Revolução Cubana e pode modernizar o país sem alterar sistema político
O momento é histórico: pela primeira vez desde 1959, Cuba está prestes a se despedir da dinastia Castro — formada pelos irmãos Fidel e Raúl —, que esteve à frente do país desde a queda do ditador Fulgencio Batista.
Quem deve assumir o governo no próximo 19 de abril é Miguel Díaz-Canel, atual vice-presidente do Conselho de Estado. Especialistas apontam, entretanto, que as mudanças na situação política cubana após a transição devem ser comedidas.
Raúl Castro deixaria o governo em 24 de fevereiro, mas teve seu mandato prolongado em dois meses por causa da "situação extraordinária" provocada pelo furacão Irma, que deixou um rastro de destruição na ilha em setembro passado, segundo a imprensa oficial. Ele está no poder desde fevereiro de 2008, embora governasse Cuba provisoriamente desde julho de 2006, por causa dos problemas de saúde de seu irmão, Fidel Castro.