terça-feira, 20 de março de 2018

“VICE NÃO GOVERNA”, DIZ FÁBIO DANTAS APÓS CRITICAR GOVERNO ROBINSON


RN-POLITICA.
Com a presença de nove deputados estaduais e dois deputados federais, o vice-governador Fábio Dantas se filiou no último sábado, 17, ao PSB, partido pelo qual pretende disputar o Governo do Estado em 2018. E na condição de vice do governador Robinson Faria, que também deverá ser candidato, Fábio Dantas precisou dedicar boa parte do discurso que fez ao público político presente à desvinculação do atual governo.
“Um vice não governa em parte alguma”, afirmou Fábio Dantas em um dos trechos de sua fala, antecipando o que poderá ser o tom da campanha eleitoral que pretende disputar. Afinal, repetiu o conteúdo, pelo menos, outras duas vezes. “(Governadores do PSB) são exemplos de guerreiros e gestores e de um modo de governar que tentei implementar no nosso Estado, mas não consegui diante das limitações do cargo de vice-governador”, afirmou em outro momento. E, num terceiro, disse: “a pouca força do cargo e impossibilidade constitucional de decidir, de tomar decisões, me impediram de concretizar os meus sonhos de um outro Rio Grande do Norte”.
Além das justificativas, o vice-governador também aproveitou a filiação para fazer algumas críticas ao Governo Robinson Faria e a defesa dos projetos apresentados por ele com o objetivo de melhorar as contas públicas. “Enxergando todos os problemas e vendo o governo sem ação, no momento em que fui comunicado das pretensões de continuidade por parte da gestão atual, senti que era hora de desligar desse projeto político, porque diferentemente do atual governo, qualquer cidadão é capaz de identificar os problemas que nos afligem nos dias de hoje”, afirmou.
Fábio Dantas também antecipou o que poderá ser seu programa de governo, reciclando alguns projetos apresentados durante a gestão Robinson Faria, como a redução de privilégios e a criação de um teto salarial para o funcionalismo público. Além disso, prometeu “valorizar os funcionários públicos que priorize resultado de trabalho e meritocracia”.
Postar um comentário