quarta-feira, 21 de novembro de 2018

NÃO HOUVE TENTATIVA DE RAPTO EM CURRAIS NOVOS, EXPLICA O PAI DA MENINA DE 11 ANOS E A POLÍCIA.


RN-POLICIAL.
“Bom dia, venho aqui, em público, pedir desculpas pelos transtornos causados ontem, na cidade de CN, diante da divulgação da tentativa de rapto da minha filha.
Todo pai ao se deparar com esta notícia, entra em pânico, e comigo não foi diferente. Ao saber do ocorrido, fui me informar com os vizinhos, em busca de mais informações (se alguém tinha visto algo ou alguém diferente rondando o bairro; a placa ou modelo desse carro preto etc.) e algumas vizinhas informaram que haviam observado uns carros suspeitos transitando pela rua há 02 dias. Diante disso, fui imediatamente à delegacia prestar queixa.
À noite, ainda na busca de mais informações, descobri que as coisas não ocorreram exatamente como minha filha havia contado. Ela realmente foi abordada por um ‘homem do carro preto’, que estava embriagado e que a chamou para entrar no carro. Muito assustada, ela voltou para casa e pediu ajuda ao pessoal do mercadinho.
Diante destes novos fatos, não posso permitir que esta história continue sendo propagada de forma imprudente, correndo o risco de prejudicar pessoas inocentes. A Hilux e o Gol preto não têm nada a ver com a história.
Já procurei a polícia novamente e esclareci o fato.
Agradeço a todos que se preocuparam e, mais uma vez, envergonhado, peço desculpas pelos transtornos causados.
Fiquem com Deus!
Diácono Genival e família.”
Plantão de Notícia



OBS.
Por Chagas Silva, DRT 1845/RN
Eu até entendo uma situação dessas, mas nós temos que ter mais cuidado e nos certificar realmente do que aconteceu.
Estou falando isso não é por critica, 'já mais faria uma crítica num momento desse', mas da semana passada para cá fora duas notícias dessas, primeiro no Bairro Dr. José Bezerra, onde uma senhora comunicou as autoridades policias o sequestro de duas meninas, de 8 e 9 anos respectivamente e agora, essa matéria trazendo a informação de outro sequestro e agora de uma criança de 11 nos. Que segundo relatos foi um engano a exemplo do primeiro caso.  
Em continuando essas informações, que logo em seguida surge outra com a informação da própria família dando conta de ter sido um engano, ninguém acreditando, ou a própria polícia sem querer ir em buscas da suposta vítima e dos envolvidos.
Desculpa acinceridade, mas tinha que ser dito.